Por que as mulheres se perdem ao longo de tantos caminhos?

 

Devo reconhecer e dizer que parabenizo vocês mulheres por tantas conquistas, pelo bravo desempenho, pela luta constante dos direitos iguais e pela determinação de alcançar muito mais.
Só que também devo confessar o quão confuso fico muitas vezes com tudo isto.
Deixam-me sem saber como querem ser reconhecidas, se como excelentes profissionais, mães, esposas, se pela inteligência,caráter, etc.
Já adiantando a resposta de vocês que obviamente será: Todas as alternativas.
Diante disso podemos dialogar e reavaliar alguns fatos francamente?
Esqueçamos a guerra dos sexos, os méritos, as alfinetadas. Estou na posição de amante de vocês mulheres, na posição de alguém que melhor do que ninguém sabe reconhecer os seus valores. Mas…
Preciso tocar em alguns pontos importantes:
Vocês já se deram conta de que este termo sou mil em uma, só da certo em poemas e textos?
São capazes de reconhecer que se perdem ao longo do caminho e que se realmente querem que este termo vire realidade precisam de várias mulheres, mas várias outras, ou seja, vocês querem ser mães, mas contratam babás porque não querem deixar a vida profissional de lado,querem administrar e organizar o lar mas contratam uma empregada, então trabalham, estudam, vão para academia, salão de cabeleireiro, massagista, yoga e quando voltam pra casa o que sobrou de vocês para o marido,filhos e namorados?
Por favor, atentem para o fato que estou focando as mulheres que enfatizam a independência por opção e não aquelas que necessitam devido à condição desfavorável.
Eu sei que quando se fala de várias mulheres em uma, vocês estão querendo expressar a personalidade, querem dizer que conseguem ser um todo. Será?
Depois desta longa jornada da qual se impuseram, vocês voltam para casa esgotadas, muitas vezes mal humoradas, mal dão atenção aos filhos e aos companheiros e mesmo assim exigem serem reconhecidas como as melhores mulheres,amantes perfeitas e mães exemplares.
Entendam, não faço apologia e não acho que Amélia que era mulher de verdade.
Só acho que a liberdade e o respeito vocês já conquistaram há muito tempo atrás.
Vivemos em um país onde a mulher é amparada pelas leis mesmo que ainda um tanto precárias. A mulher não precisa se equivaler ao homem para ser respeitada, pelo contrário,o que nos faz prestigiar a mulher são justamente as diferenças. Querem ser comparadas aos homens, mas amadas como mulheres.
Nossa maneira de pensar é simples, queremos uma mulher com toda graça e feminilidade que lhe foi concedida. Querem trabalhar pra obter a independência, ótimo, sempre é bom uma ajuda financeira, mas por favor aceitem o fato que o homem foi criado e educado para prover.
Sendo assim aceitem também o fato e mais que isso, assumam o significado da palavra Mulher dando prioridade ao que este nome de peso carrega, pois uma a mulher veio ao mundo para amar, criar, conceber, cuidar, acalmar, acalentar e principalmente despertar nos homens a alegria de viver.

Corram atrás do prejuízo enquanto há tempo, pra que mais tarde o arrependimento não seja abrasador.

Pensem nisso.
Tunhão e seus pitacos “feminísticos”.

 

 

 

Anúncios

6 pensamentos sobre “Por que as mulheres se perdem ao longo de tantos caminhos?

  1. Ah, Tunhão, você fez uma análise interessante, mas fica impossível entender a mulher fora do contexto do que também se transformou o homem… Ambos seguiram rumos equivocados no planeta. Outro dia, eu estava vendo pela TV Cultura uma reportagem sobre o Irã, feita por um jornalista iraniano radicado na Inglaterra. A uma certa altura, ele entrevistou uma mulher, diga-se de passagem, sem burca, sem o xador, em família, num jantar. Ela se dizia feliz e que estava realizada com a vida , mesmo sendo uma dona de casa, dedica à família.
    E não entendia por que muitas querem estudar, se no final elas acabariam também fazendo outros tantos papéis: de futura profissional, dona de casa, mãe etc. Senti uma inveja e não senti uma inveja. Senti porque ela estava perfeitamente encaixada em sua vida REALIZADA como mulher, com um marido e família estruturada, e não senti, porque minha realização definitivamente não passa por aí. As mulheres foram talhadas, sim, para fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo. Coisa que os homens não conseguem. Sinto uma falta de compreensão por parte de vocês quanto a esse aspecto da nossa essência feminina. Acho também que o homem só vê a mulher quando lhe interessa e não admite que o que ele quer é “carinho e atenção em tempo integral, sem muito sufoco”, desde o berço, diga-se de passagem, até o final da vida. Entendam, nós queremos dar… mas queremos homens. E quando os reconhecemos, somos uma bruxa por fora, e uma princesa por dentro, submissas como todos (humanos) deveriam ser a Deus, e ser ao seu homem é um ensaio àquele que ela escolheu aqui na Terra para comandar seu coração. E isso não tem nada de coisa forçada, é pura aceitação da alma feminina e amorosa com o seu amado. Agora, o homem se desvirtuou do seu caminho. Está com uma esposa em casa e paquerando outras por aí, sempre ávido, não preenchido… sedento de sexo e sensualidade. E claro, por garotas. Quem quer uma mulher de verdade, pergunto eu, Tunhão!
    beijos

  2. O Tunhao tá sem noção, tem muita mulher que faz um monte de coisa e ainda tá inteira pra mais um monte, e não deixa a peteca cair de jeito nenhum. E cá com meus botões penso que se a mulher teve que fazer essa revolução monstro e se ocupar de um monte de coisas e tals, era porque os homens “que vieram pra prover”, não estavam provendo nada, essa de igualdede deve ter saido de alguma mente masculina para justificar a incompetência. Pronto, falei

  3. Caro e esclarecido TUNHÃO… sempre gostei de suas aventuras e vejo agora que vc nem é tão machista como eu imaginava… hhehehehe!
    Não tenho uma ‘resposta”, como sugere o ‘campo’ c/ o título “Deixar uma resposta”. Deixo apenas uma frase p/ ser meditada por elas, esses maravilhosos seres superiores, que eu amo tanto:
    – As mulheres que procuram ter os mesmos direitos dos homens… têm falta de ambição !!!”
    JoaquimRoberto

  4. Eu vou dar meu braço a torcer, faço parte deste grupo citado pelo Tunhão,as que trabalham por satisfação por isso me vejo obrigada a confessar que por um longo período deixei muito a desejar como esposa e como mãe,me impunha estas tantas “obrigações” e chegava em casa morta de cansaço, brincava com minha filha sem curtir a brincadeira não vendo a hora que ela dormisse,fazia sexo meia boca com meu marido pois pra mim ser mãe e esposa faziam parte da jornada de trabalho,eram obrigações a serem cumpridas. Muitas vezes reclamava de tudo dizendo:tudo eu,tudo eu… Ainda no fundo me achava a vítima e eles os vilões por me sugarem tanto,coitdinha de mim tinha que trabalhar e cuidar de filho,marido,casa,etc…(quanta igorancia minha)
    Hoje com mais idade me arrependo e tenho certeza que poderia ter feito melhor,por isso diminuí meu ritmo,curto e faço tudo com calma,não encaro mais nada,nem trabalho como obrigação e sim como prazer…
    Hoje acho que o mais importante que a mulher e tem que valorizar é esta liberdade de escolha,na minha época casava-se e tinha-se filhos por imposição dos pais,era mais um roteiro a ser cumprido,hoje não,a mulher escolhe se casa ou se fica solteira.
    Casam-se mais maduras e plenas em todos os sentidos.
    São melhores mães,melhores esposas porque fazem a escolha na certeza.
    No meu caso comecei a namorar cedo,casei cedo.Hoje é absolutamente normal mulheres casando aos 40,na minha época se passasse dos 21 ficaria pra titia.
    Pode ser que hoje fizesse tudo de novo,mas quem sabe um pouco diferente…
    Hoje priorizo ser mulher,ser mãe,chegar em casa e ter algo a oferecer , consigo retribuir com a mesma intensidade todo amor e carinho que me é dado,ser mulher deixou de ser um peso.
    Ufa,acho que é isto…pronto,falei!rs…

    • Passei por todas essas fases; A de dona de casa, mãe, esposa exemplar,sempre pronta para servir,deixando meus sonhos para trás e vivendo somente para minha família,não era feliz…!!!Depois de um tempo voltei a estudar, trabalhar, e mais todas as atividades anteriores,não tinha tempo para mim, para minhas filhas e muito menos para meu marido, parciamos o sol e a lua,quase nunca nos viamos, conclusão: divórcio.Depois de 18 anos, experiente em todos os sentidos, conheci meu atual marido, tive um filho aos 44 anos, hoje ele tem 5 anos, consigo fazer tudo, trabalho, me dedico ao meu filho, meu marido, sabe qual foi o segredo? Fazer tudo sem exagerar, nem aqui nem ali, na medida, hoje consigo me considerar feliz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s