É CLARO que, bye bye!

Como perder um cliente

 

Por sugestão do DD, nosso eterno mentor e incentivador, conto um pouco meu drama com a minha atual operadora de telefonia móvel: Claro.

Sou cliente deles desde o tempo em que era BCP, os celulares só serviam para fazer ligações e pesavam cerca de 1Kg, isto é desde 01/05/98. Nesta época e por alguns anos eu morei no interior e precisava de um meio de comunicação eficiente e como sempre estava no meio da produção, na rua ou em alguma fazenda precisava que a telefonia móvel tivesse uma boa cobertura a opção era a Claro. Tive problemas com eles anteriormente? Inúmeros, desde uma falta crônica de sinal e ao ligar para a central ser avisada que estava tudo normal até a orientação de um atendente de que eu deveria retira a bateria do aparelho, com ele ligado, para a solução de algum problema de rede. Tudo bem, se no manual do aparelho não viesse expressamente escrito de que eu não deveria fazer isso. Ah! Sim, os aparelhos naquela época não se desmanchavam ao caírem no chão.

O que me prendia a eles, se nada era tão bom? Meu número. Sou apegada a ele, acho-o bonitinho e penso que não gravaria o outro, caso trocasse. Oh! Apareceu a portabilidade e a concorrência, não necessariamente nesta ordem. Toda vez em que pensava em trocar de operadora a Claro me prendia com o golpe da troca de plano e aparelhos ‘grátis’. Lá se iam mais 365 dias com a mesma operadora, porém nada era tão ruim: tenho 50.000 minutos para falar entre os 5 números da minha rede (1 mês tem 43.200 minutos, caso tenham a curiosidade de saber) e mais alguma outras vantagens.

 Com o término da faculdade e eu podendo estudar um pouco mais sobre minimalismo, redução de gastos domésticos, orçamento doméstico e etc pude ver o quão superdimensionado estava meu plano. Ao final de janeiro deste ano, me dirigi até a loja mais próxima e solicitei a revisão do meu plano, porém tive uma surpresa ao saber que, apesar de desfrutar de 5 linhas, eu pagava por 7 ou 8 linhas, pois quando das duas últimas trocas de planos, 2 últimos anos, portanto, o atendente não fez a baixa do plano que vinha usando e apenas inseriu o plano recém adquirido. Imediatamente solicitei o cancelamento dos planos anteriores (sim, eu tive de solicitar!) e a revisão das cobranças indevidas. O prazo dado para a revisão dos valores era de 5 dias úteis. Após 7 dias úteis entrei em contato. Deram-me novo prazo de dois dias úteis. Liguei após 4 dias úteis. Solicitaram novo prazo, rodei a baiana, subi nas tamancas e fui parar no supervisor do sei lá o quê que também não resolveu nada. Abri um chamado na Anatel relatando todo o ocorrido. Durante o carnaval o atendente da Claro me informa que eu minha solicitação fora atendida e que eles me devolveriam, em forma de desconto nas faturas seguintes, a cobrança indevida feita nos meses de 01/12; 12/11 e 11/11. OPA! Mas a cobrança é indevida a cerca de 24 meses! Recebo o absurdo de reposta de que se eu não reclamara anteriormente, não tinha direito a ressarcimento. Reabri o chamado na Anatel e recebi exatamente a mesma resposta padrão (informando do ressarcimento dos 3 últimos meses) dias antes de encerrar-se o prazo. Como eu estava às voltas com problemas de saúde na família (cachorros também são da família) perdi a chance de reabrir o chamado. Fiz uma nova reclamação na Anatel e parti para a loja da TIM, com quem eu já havia flertado.

Ainda dentro da loja, onde fui muito bem atendida, por sinal, recebi uma mensagem de texto da Claro pedindo que eu não mudasse de operadora. Na manhã seguinte um atendente me liga perguntando o motivo da minha mudança. Informei que era por conta desses problemas com a conta, o despreparo dos atendentes e, principalmente, a demora nos atendimentos. Já cheguei a ficar 3 horas para ser atendida num chat online e não consegui ser atendida. O atendente tentando me convencer de que eles mudaram todo o sistema “burrocrático” deles em apenas uma noite e de que tudo isso somente porque eu, uma cliente tão importante (cof) resolvera trocar de operadora. Faça-me rir! Ofereceu-me atendimento personalizado, exclusivo, 50% de desconto no valor do plano que eu escolher, torpedos gratuitos, internet gratuita e mais um monte de coisa que eu não uso e não tenho interesse em ter, na intenção de me convencer a continuar ali.

Ao informá-lo que não queria ter atendimento diferenciado somente porque resolvera trocar de fornecedor e sim, constantemente, pois foi assim que eu aprendi: cliente é cliente, seja ele há 15 anos ou 15 minutos. Recebo a resposta mais estapafúrdia possível: “Mas as outras operadoras também tem problemas!” Ótimo! Porque todos são ruins eu posso me nivelar por baixo e me calçar nisso! Olha, na verdade eu me contento com pouco: bastam informações sinceras, claras e objetivas.

 

Bye, bye Claro!