HARU

douglas_wakimoto

“Existem coisas piores que estar sozinho,
mas geralmente leva decadas para entender isso
e quase sempre quando você entende é tarde demais.
E não há nada pior que tarde demais.”

Charles Bukowski

Anúncios

Você é responsável!

A mente ordinária sempre lança a responsabilidade em outro alguém. É sempre o
outro que está lhe fazendo sofrer. Sua esposa está lhe causando sofrimento, seu
marido está lhe fazendo sofrer, seus pais estão lhe fazendo sofrer, seus filhos
estão lhe fazendo sofrer, ou o sistema financeiro da sociedade, capitalismo,
comunismo, fascismo, a ideologia política prevalente, a estrutura social, ou o
destino, carma, Deus… você nomeia!

As pessoas têm milhões de maneiras de se esquivar da responsabilidade. Mas no
momento que você diz que outra pessoa – X,Y,Z – está lhe causando sofrimento,
você não pode fazer nada para mudar isso. O que você pode fazer? Quando a
sociedade mudar e o comunismo chegar e houver um mundo sem classes, então todos
seremos felizes. Antes disso, não é possível. Como é que você pode ser feliz
numa sociedade pobre? Como você pode ser feliz numa sociedade que é dominada
pelos capitalistas? Como você pode ser feliz com uma sociedade que é
burocrática? Como você pode ser feliz com uma sociedade que não lhe permite
liberdade? Desculpas e mais desculpas.

Desculpas apenas evitam um insight, que “sou responsável por mim mesmo. Ninguém mais
é responsável por mim; é absolutamente e totalmente minha responsabilidade.O
que quer que eu seja, sou minha própria criação”.

Uma vez que esse insight se estabeleça: sou responsável por minha vida – por todo
meu sofrimento, pela minha dor, por tudo que aconteceu comigo e está
acontecendo a mim; eu escolhi esse caminho; essas são as sementes que eu semeei
e agora estou colhendo a safra; sou responsável – uma vez que esse insight se
torne um entendimento natural em você, então tudo mais é simples. Assim a vida
começa a dar uma nova reviravolta. Começa a se mover numa nova dimensão. Essa
dimensão é conversão, revolução, mutação – porque uma vez que sei que sou
responsável, também sei que posso abandonar isso a qualquer momento que decida
fazê-lo.

Ninguém pode me impedir de abandonar isso.

Pode alguém impedi-lo de abandonar sua miséria, de transformar sua miséria em
felicidade? Ninguém. Mesmo que você esteja na prisão, acorrentado, preso,
ninguém pode prender VOCÊ; sua alma ainda permanece livre. É claro, você fica
numa situação muito limitada, mas mesmo nessa situação limitada você pode
cantar uma canção. Você pode derramar lágrimas de desamparo ou pode cantar uma
canção. Mesmo com correntes em seus pés você pode dançar; então até mesmo o som
das correntes terá uma melodia nela.

O próximo sutra: Seja grato a todos.

Atisha é realmente muito científico. Primeiro ele diz: Tome toda a responsabilidade
sobre si mesmo. Segundamente ele diz: Seja grato a todos. Agora que ninguém
mais é responsável pela sua miséria exceto você – se a miséria é, toda, seu
próprio fazer, então o que resta?

Seja agradecido a todos !!!.

Porque todo mundo está criando um espaço para você ser transformado – mesmo aqueles
que acham que estão lhe obstruindo, mesmo aqueles que você pensa que são seus
inimigos. Seus amigos, seus inimigos, boas e más pessoas, circunstancias
favoráveis, circunstancias desfavoráveis – tudo isso junto está criando o
contexto no qual você pode ser transformado e tornar-se um Buddha. Seja
agradecido a todos – àqueles que lhe ajudaram, àqueles que lhe obstruíram,
àqueles que foram indiferentes. Seja grato a todos, porque todos juntos estão
criando o contexto no qual Buddhas nascem, no qual você pode se tornar um
Buddha.

Osho, The Book of
Wisdom, #

Enviado por Prem Aditi

Enfrente o ciúme

O que eu disser só se tornará uma experiência para você se for colocado em prática. E de que modo colocar isso em prática? Ficando frente a frente com o ciúme. Agora ele não está na sua frente; está escondido atrás de você.

Não reprima o ciúme. Expresse-o. Sente-se no seu quarto, feche a porta e concentre-se no ciúme. Observe-o, veja-o, deixe que ele se torne tão forte quanto uma labareda. Deixe que ele se torne uma enorme labareda e queime nesse fogo, vendo o que ele é.

Não comece dizendo que o ciúme é feio, porque essa ideia vai reprimi-lo, não deixará que ele se expresse plenamente. Nada de opiniões! Tente simplesmente ver o efeito do ciúme na sua vida, olhe para o fato existencial. Sem interpretações, sem ideologias.

Esqueça os budas e entre em ação; esqueça-me. Deixe que o ciúme aflore. Olhe para ele, olhe bem dentro dele e faça o mesmo com a raiva, com a tristeza, com o ódio, com a possessividade.

Pouco a pouco você verá que só o fato de olhar para essas coisas suscitará um sentimento transcendental de que você é apenas uma testemunha; você deixa de se identificar. Você só para de se identificar quando encontra algo dentro de você.

Osho, “Emoções: Liberte-se da Raiva, do Ciúme, da Inveja e do Medo”

 Texto enviado por Prem Aditi direto de Curitiba para o BloGenérico